GLÓRIA

O ‘Glória’ é um hino antiquíssimo e venerável, pelo qual a Igreja, congregada no Espírito Santo, glorifica e suplica a Deus Pai e ao Cordeiro. O texto deste hino não pode ser substituído por outro (IGMR 53).

Glória a Deus nas alturas, e paz na terra aos homens por Ele amados. Senhor Deus, rei dos Céus, Deus Pai todo-poderoso: nós vos louvamos, nós vos bendizemos, nós vos adoramos, nós vos glorificamos, nós vos damos graças por vossa imensa glória. Senhor Jesus Cristo, Filho Unigênito, Senhor Deus, Cordeiro de Deus, Filho de Deus Pai. Vós que tirais o pecado do mundo, tende piedade de nós. Vós que tirais o pecado do mundo, acolhei a nossa súplica. Vós que estais à direita do Pai, tende piedade de nós. Só vós sois o Santo, só vós, o Senhor, só vós, o Altíssimo, Jesus Cristo, com o Espírito Santo, na glória de Deus Pai. Amém.

Este hino não é, portando, uma aclamação trinitária, mas sim cristológica, pois o Cristo se mantém no centro de todo o hino. Ele é o “Kyrios”, o Senhor, que desde todos os tempos habita na Trindade. Como ele é o próprio rito, deve ser cantado integralmente. Para que um canto de “Glória” seja litúrgico, ele deve conter, obrigatoriamente, toda a oração, não basta ter as invocações “Glória ao Pai”, “Glória ao Filho” e “Glória ao Espírito Santo”. A liturgia não usa este hino nos tempos litúrgicos do Advento e da Quaresma, pelo fato de que um hino festivo não sintoniza com um tempo de penitência e contrição. Nem tudo o que diz Glória é Hino de Louvor.

Sugerimos algumas opções que cantam toda a oração:

1ª Opção 

 

2ª Opção

3ª Opção

4ª Opção

5ª Opção – Eliane Ribeiro

6ª Opção – Amor e Adoração

Opção – Frei Gilson